Composição

Os corpos da réguas de cálculo mais antigas eram de madeira dura, tais como mogno e  buxo. Os cursores das réguas mais antigas eram feitas de vidro e metal. Em 1895 a fábrica japonesa Hemmi iniciou a fabricação de réguas de cálculo de bambu, cujas vantagens de estabilidade dimensional, resistência e pelo fato de ser autolubrificante superavam as de madeira.

Os corpos das réguas de cálculo mais atuais são de plástico celulóide ou de alumínio e os cursores de acrílico ou policarbonato, deslizando sobre mancais de teflon.